Um programa de educação cristã para a igreja local - por Gelson Magalhães
01/05/2015

O presente trabalho consiste em um projeto de educação cristã para a igreja local a nível prático, porém é necessário assentarmos as bases teóricas sobre as quais vamos erigir o nosso programa. Em primeiro lugar precisamos conhecer os objetivos gerais da educação cristã, para isso a contribuição de SCHIPANI (1983,p.156-59) é muito válida para esclarecer os alvos que buscaremos alcançar, segundo ele o objetivo principal da educação cristã é fazer com que “as pessoas de todas as idades se apropriem do evangelho do reino de Deus”, este apropriar implica:

1. Seguir a Jesus Cristo e responder ao chamado do discipulado;

2. Promover a transformação social a favor do aumento da liberdade, isto é, participar da ação libertadora de Deus na historia;

3. Conhecer e amar a Deus como Criador, Redentor e Sustentador da vida;

4. Nos tornar mais humanos em toda a sua plenitude.

Todos esses objetivos gerais da educação cristã estão presentes no ensino bíblico, por isso podemos nos valer deles para o nosso programa, porém a nível local como pretendemos é preciso especificar mais essas metas, ou seja, estabelecer consequências práticas que queremos ver como resultado do nosso ensino, que são:

1. Fazer que o discipulado assumido se manifeste em compromisso concreto com o reino, a igreja e a sua missão e a sociedade;

2. Fazer com que a igreja possa participar ativamente da vida política da cidade, das associações de bairros, de instituições sociais de filantropia e organizações não-governamentais e outras, bem como criar uma consciência crítica em relação a realidade social;

3. Fazer com que a igreja dê provas do seu crescimento espiritual, através do desenvolvimento dos exercícios espirituais, como oração, meditação, adoração etc.

4. Promover o crescimento das pessoas enquanto seres humanos integrais, buscando torná-las mais sensíveis ao sofrimento do semelhante e também possibilitá-las um amadurecimento em todas as esferas da existência.


A EDUCAÇÃO PARA O SER HUMANO INTEGRAL


Esse ponto é de máxima importância porque no meio evangélico existe a tendência predominante de enfatizar somente o aspecto espiritual, sem levar em consideração as outras dimensões humanas, por isso qualquer projeto de educação cristã tem que abordar o ser humano de forma integral, em todas as suas dimensões:

Intelectual: O desenvolvimento intelectual na Educação Cristã “é um processo pelo qual a pessoa se desenvolve no seu conhecimento de Deus, de Seu Filho Jesus Cristo, de sua palavra e de sua igreja”.(GEORGE,1993,p.17), e também na compreensão do contexto em que está inserido.

Emocional: A educação cristã tem que abordar também os afetos da pessoa e o seu desenvolvimento emocional, Dra. Sherron K. GEORGE (1993, p.17) diz o seguinte:

O desenvolvimento emocional satisfatório é aquele em que o discípulo é levado a amar a si mesmo, a recuperar sua auto-imagem o mais possível, sendo, então, capaz de viver na sociedade, amar a seu próximo e contribuir para seu crescimento. O equilíbrio emocional determina o desenvolvimento social. Quando se desenvolve a própria vida psicológica, tem se capacidade de manter relacionamentos bons com os outros.


Espiritual: O dualismo grego de alma e corpo ou o material do espiritual não é bíblico, a concepção bíblica do ser humano é una, englobando a dimensão espiritual, ou seja, a parte do ser humana voltada para Deus que o possibilita de amá-lo, diz respeito as partes abstratas e intangíveis que dizem respeito as preocupações principais e fundamentais da vida humana.

Comportamental: A educação cristã tem que afetar também o aspecto comportamental, o próprio estilo de vida que é desenvolvido na medida em que conhecemos mais de Deus. Isso está relacionado com o aspecto ético do cristão, todo o ensino tem que visar um aperfeiçoamento da conduta do cristão.

Cultural: Este aspecto é importante pois diz respeito à realidade do educando, aos seus valores e ao seu contexto. Não se pode realizar um ensino cristão desprezando o lugar social do receptor, ou seja, se este vive em uma cultura urbana ou rural, as suas condições econômicas, nível educacional, etc.

O contexto é imprescindível para que a educação seja pertinente e relevante para o aluno. Ainda que o conteúdo seja excelente, se não for revestido de uma contextualização correta, o nosso trabalho fatalmente será infrutífero.

A pessoa toda está envolvida no processo educativo da igreja, não é possível produzir material em que o ser humano seja visto como apenas um espírito ou como uma mente, a verdadeira educação cristã atinge todas as partes do humano.


ESTRATÉGIAS PARA O PROJETO


A principal estratégia para a elaboração de um projeto relevante de educação cristã tem que passar essencialmente pelo preparo dos professores, porque estes são em sua grande maioria leigos, sem preparo teológico e pedagógico. Qualquer currículo, por melhor que seja, se não for acompanhado de um corpo docente qualificado não terá êxito. Por isso que o ministro ordenado, o pastor, tem a obrigação de preparar os professores da igreja, para tal tem que promover cursos, palestras, seminários, onde outras pessoas qualificadas possam ensinar aos docentes, tanto a parte do conteúdo como de didática.

De acordo com a Dra. Sherron George:
O Pastor é um mestre indispensável na Educação Cristã(Ef.4,11). Quando o pastor tem uma visão educadora, ele ensina formalmente no púlpito e nas aulas, e informalmente na sua vida diária e no seu contato pessoal com o rebanho.(...) A visão educacional do Pastor o levará a transmitir esta visão “a homens(e mulheres) fiéis e também idôneos para instruir a outros”(2 Tm 2:2). O Pastor precisa ensinar e também preparar outros para assumirem suas responsabilidades no ministério total da igreja. É preciso criar espaço para o ministério educacional ser desenvolvido e orientado por uma equipe educacional. O Pastor não deve e não pode fazer tudo sozinho. (GEORGE,1993,p.94)

O pastor tem que promover reuniões de reciclagem e de compartilhamento entre os professores, pelo menos uma vez por mês, bem como de planejamento das aulas, procurando sempre incentivá-los no sentido de tornarem as aulas dinâmicas e atraentes para os alunos sem perder o conteúdo bíblico.

O professor Donald Griggs qualifica como a tarefa mais importante da igreja a de recrutar novos professores que estejam motivados a ensinar:
Após recrutá-los, eles precisam ser equipados para ensinar, recebendo treinamento e apoio que os capacite a tornar-se hábeis, ativos e eficazes. Embora seja feito a escolha do currículo, é importante equipar os professores para tomarem decisões sobre ele; a pensar, planejar e avaliar, como se fossem “escritores de currículo”. Os professores que podem fazer isto darão vida e estímulo a qualquer currículo escolhido pela igreja.(GRIGGS,1974,p.146)

Os professores têm que dispor também de ajuda quanto as novas técnicas e recursos modernos que podem ajudar na aprendizagem, ou seja, precisam estar sendo atualizados constantemente sobre as novidades pedagógicas e tecnológicas. Por isso que os professores devem estar imbuídos por uma motivação profundamente cristã revestida de qualidades ministeriais dadas por Deus.


CONTEÚDO DO CURRÍCULO


O currículo do programa tem que tentar abranger todas as esferas do ensino bíblico, apresentando os principais temas à igreja, através de todas as reuniões da comunidade, por isso o pastor-educador precisa usar os cultos semanais, estudos bíblicos, escola dominical e quantas outras oportunidades existir para ensinar a igreja. Ele pode fazer isso através da pregação, liturgia, boletins etc.

O conteúdo não pode desprezar a esfera teológica e doutrinária, devendo englobá-las de forma que a igreja tenha uma forte base sobre a qual apoiar a sua prática.

O aspecto da missão da igreja precisa estar vinculado ao nosso currículo, pois visa qualificar as pessoas a uma prática missionária, desenvolvendo os dons e os ministérios para o serviço, atingindo todas as dimensões da integralidade da Missio Dei.

Nessa função da educação cristã da igreja, a escola bíblica dominical tem papel proeminente, porém tem que ser reestruturada para conseguir os seus objetivos. A forma atual de divisão de classes em faixas etárias já demonstrou uma certa deficiência, pois não leva em consideração o desenvolvimento dos alunos, independente da faixa etária. Esta forma só é possível entre crianças e adolescentes.

As classes precisam ser formadas de forma temática em que os assuntos possam ser estudados segundo o interesse de cada aluno. Os temas precisam estar voltados para o que nós já falamos como o crescimento integral da igreja.

As doutrinas bíblicas precisam ser ensinadas nesses dias de tantas incertezas, pois são elas o fundamento de qualquer igreja, por isso que toda escola dominical precisa de um classe específica sobre este tema. A classe de discipulado é necessária para os novos convertidos, é através dela que aprenderão o que significa ser cristão. Outras classes também precisam ser criadas, porém o importante é que sejam capazes de fazer com que todos os membros da igreja possam crescer integralmente na sua fé.

Podemos concluir, afirmando que um projeto de educação cristã relevante para uma igreja local, precisa de objetivos bíblicos, professores qualificados, respeito ao ser humano integral e um currículo que seja capaz de englobar todos os aspectos do Evangelho de Jesus Cristo.


BIBLIOGRAFIA


GEORGE, Sherron Kay. A Igreja Ensinadora. Campinas:Luz para o caminho, 1993.

GRIGGS, Donald L. Manual do professor eficaz. São Paulo: Cultura cristã, 1987.

GROOME, Thomas H. Educação Religiosa Cristã. São Paulo: Paulinas, 1985.

SCHIPANI, Daniel S. El reino de Dios y el ministerio educativo de la iglesia. Mexico:
Editorial Caribe, 1983.

(Escrito em 1996)


http://www.ftsa.edu.br